Sacos biodegradáveis de fécula de batata

Categorias: Notícias da agricultura

sacos biodegradáveis de fécula de batata

A empresa Sphere España, situada em Utebo (Saragoça) dedica-se ao fabrico de sacos biodegradáveis para o comércio e o lixo, elaborados a partir de matérias vegetais.

A Sphere España é pioneira no desenvolvimento de bioplásticos elaborados com fécula de batata. Da fécula de 15 batatas obtêm-se até 100 sacos 100% biodegradáveis, compostáveis e sem CO2.

Estes sacos apresentam inúmeras vantagens face aos de plástico tradicionais, como o facto de se decomporem no fim da vida útil de forma natural em 180 dias, conforme indica a norma europeia EN 13432 e não permanecem como resíduo contaminante durante décadas (os sacos de plástico, fabricados com derivados do petróleo, demoram a degradarem-se entre 150 e 300 anos, para além de acumularem químicos nocivos para o nosso organismo). Os sacos biodegradáveis de fécula de batata podem ter qualquer mensagem ou fotografia impressa, com tintas de água que também não contaminam.

O bioplástico é uma alternativa eficaz para os materiais tradicionais e vai ganhando peso nos sectores comercial e doméstico, especialmente agora que estamos a caminho da proibição da utilização de plásticos não biodegradáveis.

Em França, uma lei de 2005 sobre Política Agrária dispõe que em 2010 todos os sacos de plástico deverão ser biodegradáveis. Em Itália, as empresas Novamont e Coldiretti chegaram a um acordo para implantar um sistema de fabrico de plásticos biodegradáveis a partir do milho e do girassol. No Canadá, a empresa EPI (Environmental Plastic Additives) desenvolveu um aditivo, denominado TDPA (Totally Degradable Plastic Additives), que permite aos plásticos convencionais tornarem-se biodegradáveis. A Itália aprovou em 2007 uma lei que proibirá todos os sacos de plástico não biodegradáveis a partir de 2010.

Em Espanha, as principais empresas de distribuição começaram a adoptar materiais mais ecológicos, como a ráfia, o TNT, ou o amido de batata. O Carrefour eliminou de todos os seus centros os sacos de plástico com que os clientes levam os produtos adquiridos para suas casas. O Ministério do Meio Ambiente pretende para 2015 que 70% dos sacos sejam biodegradáveis.

Deixe uma resposta