Alternativas para a rega por aspersão

Categorias: Rega pivot

rega por aspersão com pivots centraisO desenvolvimento nos últimos 20 anos da rega por aspersão com Pivots centrais, tem vindo a significar um avanço na tecnologia de rega comparável à micro rega, os canos de plástico ou a nivelação de terrenos agrícolas com raio laser. Tem significado tanto para a prática da rega como o uso de bombas eficientes, centrífugas e de turbina.

Os Pivots centrais regam milhares de hectares de regadio aumentando a produção das culturas. Até que chegou o Pivot central, as explorações que não podiam usar métodos superficiais por motivos topográficos, e que não podiam justificar economicamente aspersores de cobertura, enroladores ou aspersores portáteis, não tinham outra opção que ver como secavam as terras. O Pivot tem impulsionado a agricultura mundial, resolvendo problemas topográficos, económicos, de mão-de-obra e de fornecimento deficiente de água. Os Pivots regam em quase todos os países do mundo, todo o tipo de culturas.

O movimento circular, chave do êxito

O movimento circular do Pivot é, em grande parte, a chave do seu êxito. No campo é o movimento mais eficiente porque a máquina está a regar continuamente para a zona mais seca. A cabeça ou ponto pivotante faz com que tanto o alinhamento como a tomada de água sejam simples.

A trajetória circular produz certas limitações físicas e biológicas no uso do Pivot central. O cano tem que ser deslocado por toda a área do campo em cada círculo, e quando o sistema se desloca, deve aplicar suficiente água para satisfazer as necessidades da colheita. E o solo deve ter uma taxa de infiltração suficiente para aceitar a água a essa taxa aplicada, ou haverá escoamento.

Os fatores críticos são portanto: as necessidades diárias de água da colheita (que o Pivot deve abastecer), e a taxa de infiltração do solo. Estes fatores devem estar em equilíbrio para que o sistema funcione corretamente. Se não coincidirem, o Pivot terá de aplicar a água demasiado rápido para que o solo a possa absorver. Se coincidirem, o sistema não cobrirá as necessidades da cultura.
Os problemas com os Pivots centrais começam a surgir em climas cálidos e áridos, com solos desérticos de alto pH. A cultura exige mais água nestes climas, e portanto, o Pivot terá de oferecer uma aplicação hídrica maior. Os solos desérticos caracterizam-se por baixas taxas de infiltração, isso agrava o problema.

O Pivot central funciona também em solos e climas áridos. Apenas o tamanho do sistema é um fator limitante. Existe um ponto no comprimento do sistema em que a máquina vai aplicar exatamente a quantidade de água requerida pela cultura, a uma taxa que o solo aceitará; esta é a longitude máxima que pode ter o Pivot sob essas condições. Se for maior, os aspersores irão aplicar muita água a partir deste ponto, e o solo não poderá absorvê-la.

A longitude máxima, e portanto, a área coberta pelo Pivot, ficam definidas por uma limitação biológica (as necessidades hídricas da cultura) e uma limitação física (a velocidade de absorção do solo). Se a necessidade hídrica for alta e a taxa de absorção for baixa, será necessário um sistema pequeno para evitar o escoamento ou stress hídrico. Nos climas áridos, o tamanho máximo do Pivot é habitualmente pequeno demais como para ser economicamente viável.

Por exemplo, no médio oeste dos E.U.A., as condições permitem implementar Pivots de 400 metros. Porém, no sul dos E.U.A., mais húmido, os Pivots podem ter uma longitude de mais de 800 metros e cobrir mais de 200 hectares. Na Califórnia, Arizona e em partes da Arábia Saudita, a longitude máxima para algumas culturas pode ser de 40 metros, cobrindo apenas meia hectare, um sistema que não é prático.

Deixe uma resposta